top of page

Escritório de advocacia automatiza análise de movimentações em processos com inteligência artificial

O CLIENTE

Chalfin, Goldberg, Vainboim Advogados, com sede no Rio de Janeiro. No mercado há 21 anos, é responsável pelo gerenciamento de uma base com 130 mil processos. Em 2020, o escritório vivenciou um crescimento expressivo, passando de 510 para 730 colaboradores.

Com forte experiência nas áreas bancária, imobiliária e securitária, o CGV Advogados também se destaca pelos projetos de inovação e tecnologia direcionados para o meio jurídico.

O DESAFIO

Automatizar a leitura e interpretação das publicações referentes aos processos que o escritório administra. Com isso, reduzir o tempo dos advogados destinado a essa atividade.

As publicações representam toda a movimentação jurídica de um processo, como decisões do juiz e solicitações de documentos. São disponibilizadas no Diário Oficial da União ou no próprio sistema do judiciário.

Diariamente, a equipe do CGV Advogados precisa checar as publicações dos processos em andamento no escritório. A etapa inicial, de localização, já acontecia de forma automatizada – ou seja, as movimentações eram identificadas e enviadas aos advogados pertinentes ao caso.

Os profissionais ficavam, então, responsáveis pela leitura das publicações e lançamento das próximas tarefas no sistema. É exatamente nesse ponto que havia uma demanda pendente de solução.

Um advogado coordenador do escritório chega a receber até 150 publicações por dia. Os textos que precisam ser avaliados variam em tamanho – podem ser sucintos ou conter várias páginas. De modo geral, a análise manual exige que metade do período de trabalho do profissional seja dedicado exclusivamente a essa tarefa todos os dias.

A SOLUÇÃO

Aplicar a inteligência artificial para desenvolver um sistema capaz de encontrar palavras e interpretá-las com base em modelos.

O foco da IA é detectar o que, na área jurídica, chama-se resultado terminativo. Isso inclui procedências ou improcedências deliberadas por juízes, além de pedidos complementares.

Como explica o gerente de tecnologia do CGV Advogados, Felipe Garcia Gomes, a solução não se limita a um simples caça-palavras. “É necessária uma inteligência de interpretação porque, em um mesmo processo, o juiz pode decidir pela procedência de uma solicitação e improcedência de outra.”

Antes de realizar parceria com a Cognitivo.AI, o escritório já havia desenvolvido um MVP (Minimum Viable Product) e constatou que a ideia, de fato, funcionava.

Felipe foi, então, pesquisar uma empresa que pudesse atender a demanda de desenvolvimento. Encontrou a Cognitivo.AI e, quando iniciou a conversa, logo se identificou com a metodologia da empresa para gerenciamento de projetos.

Em um trabalho conjunto entre a equipe interna do CGV Advogados e os especialistas da Cognitivo.AI, criou-se um sistema com dois níveis de inteligência.

As publicações chegam por meio de uma integração e são direcionadas ao motor de análise. No primeiro nível, ocorre uma interpretação a partir de modelos que relacionam palavras a possíveis significados.

Caso essa etapa não seja suficiente, as publicações passam para o engine de inteligência artificial, que faz o processamento do texto. Os resultados são lançados no sistema interno do escritório, que já está programado para reconhecer e agendar as próximas tarefas.

O RESULTADO

A equipe envolvida no projeto decidiu começar a operação com um piloto para checagem dos resultados iniciais.

Nessa fase, as publicações de duas áreas do escritório passavam pelo processamento da inteligência artificial. Os resultados voltavam para verificação dos advogados só quando alcançavam 80% de confiança.

Com o retorno positivo dos testes, o sistema entrou na etapa de homologação, o nível de confiança foi reduzido aos poucos, e todas as publicações do escritório começaram a ser analisadas de forma automatizada.

Desde novembro de 2020, quando essa transição aconteceu, 250 mil publicações já foram verificadas pela inteligência artificial.