top of page

O que é e para que serve Big Data: como aplicar para estratégias de negócios

Apenas um minuto é necessário para a população mundial gerar um volume de dados que o cérebro humano levaria anos para processar. Os negócios que desejam resistir a esse cenário, e explorá-lo da melhor forma, precisam compreender o que é Big Data e para que serve.

Estamos imersos em um universo de bytes que só cresce. Em um minuto, são criados 1,5 terabytes de dados no Planeta – o que fica difícil de imaginar a dimensão.

O estudo Data Never Sleeps, da empresa especializada em computação na nuvem Domo, faz algumas relações para facilitar o entendimento: nesse período, 347 mil novos stories são postados no Instagram e 41 milhões de mensagens são compartilhadas no Whatsapp.

Essa é a realidade em que todas as empresas estão inseridas. E o Big Data se fortalece como mecanismo para se posicionar no mercado com estratégias sustentadas em dados. Siga com a leitura e entenda como você pode aplicar as funcionalidades do Big Data no seu negócio.

O que é big data e para que serve

O termo Big Data se refere à tecnologia envolvida na extração, armazenamento e processamento de um grande volume de dados.

Os dados associados ao Big Data possuem características específicas que os tornam impraticáveis para ferramentas comuns.

Um dos aspectos é o volume, que não só alcança patamares muito altos, mas também aumenta constantemente. Apenas bancos de dados com elasticidade suportam os chamados mega dados.

Outro fator está relacionado ao perfil variado dos dados. São coletados em uma grande diversidade de fontes, que, na maioria das vezes, geram dados não-estruturados. Ou seja, sem relação direta entre si.

Para ter valor, o Big Data necessita de tecnologia capaz de tratar os dados, disponibilizando informações com potencial para se transformar em insights.

Leia também – Cultura de dados: práticas essenciais para começar a transformar a sua empresa em data driven

Os 3 Vs do Big Data

O significado da expressão Big Data que conhecemos hoje começou a se disseminar no início dos anos de 2000, quando Douglas Laney escreveu um artigo em que explicou os 3 Vs que definem o conceito.

VOLUME

Essa é, de fato, a característica principal do Big Data. Não há como falar sobre o assunto sem considerar volumes de dados impressionantes.

Estima-se que 2,5 quintilhões de bytes de dados sejam criados todos os dias. Em 2020, alcançamos um montante 300 vezes maior se comparado ao total de dados gerados em 2005.

Ao longo desse tempo, os servidores e as soluções de armazenamento em nuvem avançaram para dar conta da demanda do Big Data.

VELOCIDADE

No Big Data, o tempo também se comporta de modo bastante peculiar. Os dados são criados e transferidos em altíssima velocidade, continuamente.

As tecnologias que comportam atualizações na velocidade do Big Data são desenvolvidas especificamente com a finalidade de processar grande volume de dados em tempo real.

VARIEDADE

Não há qualquer padrão de dados no Big Data, já que a origem é diversa. Os formatos são variados – texto, vídeos, imagens, planilhas, códigos – e podem estar estruturados ou não.

A tecnologia envolvida no processo deve conseguir armazenar todos os tipos de dados e fazer relações entre eles para que se tornem informação gerenciável.

Para que serve o Big Data